16 de dezembro de 2008

Porque esse osso eu não largo

Lembro que na minha colação de grau, um dos meus amigos me disse: “É a primeira vez que vou em uma colação e não acho chato, entediante, não quero ir embora. Aliás, acho até que teria ficado mais, pelo menos mais uma hora. Como é bom ouvir gente que sabe o que fala”.

Ele era um estudante de Física da mesma universidade, então não estava apenas vislumbrado. Ele apenas notou algo que eu mesma notei, quando fui sábado à colação de grau dos formados de Letras e Lingüística, turmas de 2005: quando você sabe e gosta do que faz, faz muito bem!

Não há nada mais entediante que discurso de professor em colação. Não há nada mais bonito que discurso de professor estudioso de linguagem e literatura em colação. Quem entende de linguagem, sabe usá-la da maneira mais produtiva, atraente e bonita possível. Quem entende de linguagem, transforma tédio em poesia.

Às vezes, como em uma cena de filme, me vejo indo a todas as colações de lá. Todos os anos, mesmo quando já não conheça mais ninguém, nenhum formando, irei a todas elas. Mesmo que muito tempo se passe, irei a todas elas. Mesmo depois de velha, irei a todas elas... se houver a garantia de que ouvirei discursos como os de sábado.

Foi então que percebi que é isso que me prende aquele lugar. Foi por isso que, não contente em fazer um curso de graduação, ingressei em outro. É por isso que ano que vem, antes mesmo de terminar o segundo curso, me inscreverei em outro.

Aquele lugar exala sabedoria. Conhecimento. Reflexão. Palavras. Foi depois daqueles discursos que assumi que não consigo viver longe disso. Porque depois de 6 anos de estudo, tudo isso também já faz parte de mim. Tudo isso me move. Tudo isso me agarra e me impede de ir embora.

Como um outro amigo me disse... esse osso, eu não largo não!

2 comentários:

Tatah Santini disse...

Hum...é muito bom fazer as coisas quando se gosta mesmo. Fica bem mais verdadeiro e legal!
=D

Diegovj disse...

Tudo que é feito com vontade, garra e amor só tem um destino: ser ótimo.

Bjos!